domingo, 29 de janeiro de 2012

Minha nada sustentável vida

Domingo à noite + Fantástico = X.
A resposta dessa equação todo mundo sabe há décadas.
X = depressão mortal, arrepios na nuca e tristeza profunda pré-segunda-feira maldita.
E hoje não é um domingo diferente. Cá estou no meu fim de dia tão ordinário, curtindo minha fossa Fantástica e comendo um chocolate (Não sou de ferro, portanto não me julgue!), quando de repente vai ao ar uma matéria sobre o fim das sacolas plásticas nos supermercados. Super 2012, né? Depois de milhares de anos estragando o mundo, os humanos chegaram a conclusão que uma das medidas mais urgentes que precisam ser tomadas é uma diminuição drástica no uso das sacolas plásticas de supermercados. É ou não é brilhante? Até porque tapar furo de pneu com chiclete sempre dá suuuuuper certo...

Bom, críticas à parte, eu particularmente sempre detestei essas sacolas. Não porque elas são feitas de plástico (Não me odeiem, mas eu AMO derivados de petróleo! Acho tão prático!), mas porque eu sempre parecia uma retardada no supermercado tentando abrir as desgraçadas e porque eu passo um tempão botando trezentas em cada braço pra dar uma viagem só na hora de carregar as compras e tem sempre uma cretina que não aguenta o tranco e se arrebenta toda. E é lógico que, quando isso acontece, é bem com a portadora de ovos ou de vidros de palmito que é pro desastre ser bem mais drástico. Morram, sacolas mal feitas de meia tigela! Agora a gente que não quer mais vocês! Muahahaha

O assunto é sério e, sinceramente, acho que dá para gente levar um estilo de vida mais sustentável, sabia? Dá para comprar um estoque bem lindo de ecobags fashion pra ir ao mercado e comprar sacos feito de plástico reciclável para descartar lixo. Não, Fantástico, não vou fazer origami de jornal para fazer pseudo-sacos de lixo, ok? Não tenho estrutura psicológica para fazer dobraduras de papel e tudo na vida tem limite. Também não vou usar coletor menstrual (a ideia me dá mega arrepios de nojo) e nem vou fazer xixi no banho pra economizar uma mísera descarga. Não vou deixar de comer carne de vaca só porque as coitadas soltam puns tóxicos e nem vou abandonar meus amados produtos descartáveis.

O que eu prometo, no entanto, é compensar o meio ambiente pela minha total indisplicência com dobraduras e pelo meu amor por plástico. Pode ser? Continuo usando só papel reciclável e tomando banhos curtos, mas abro mão da minha nada sustentável vida. Começarei pela coleta seletiva de amigos. Os invejosos e os falsos vão para o lixo orgânico. Os afastados e os distantes serão reciclados. Os que estão sempre por perto serão reutilizados até o ponto da exaustão. As coisas de que não preciso mais serão devidamente eliminadas. Farei um aterro de arrogância, orgulho, preguiça e tentarei me desapegar dos maus hábitos de vez. Serei mais saudável! Correrei mais, muito mais, e dessa vez rumo a objetivos mais concretos, tangíveis, sem desvios, nem atalhos.

Só que nem só das minhas atitudes vive o mundo. É preciso deixar um legado para o futuro, algo que não envergonhe nossa geração, que mostre que algo decente passou por aqui. Então, também plantarei muitas sementes. Mas de valores, de princípios, de conhecimento, que é para gerar muitos frutos. Ah, e de paciência também porque nunca é demais. Mas mais que tudo, prometo parar de assistir Fantástico. A segunda-feira já é péssima por si só. Não preciso da vinheta mais maldita da história da TV para me lembrar disso, né?

Lara - encontrando inspiração até no lixo

1 comentários:

PsychoTon disse...

Nossa, que texto FANTÁSTICO! hehehehehehe. Sério, adorei! Principalmente a parte de mandar a galera para o lixo orgânico! kkkkkkk. Muito bom!