quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Adeus ano velho, feliz...mesma coisa?

Todo ano é a mesma coisa. Chega dia 30 de dezembro, meu aniversário (péssimo, eu sei!), e com ele um misto de alívio e friozinho na barriga. Alívio de do ano estar acabando e frio na barriga de não saber o que vem pela frente. Vem também os preparativos para a noite de ano novo: lentilhas recheadas de prosperidade, uvas mágicas e suas sementes poderosas, sete ondas milagrosas, a escolha da roupa ideal que será capaz de redesenhar o rumo da sua vida, calcinhas coloridas que trazem dinheiro, amor, paixão, amor, dinheiro, dinheiro, dinheiro (quem usa calcinha colorida que não seja pra isso???). As superstições são infinitas, assim como a vontade que até o mais pessimista tem de que ao estourar dos fogos tudo vai mudar.

Pode ser clichê o tanto que for, mas que atire a primeira pedra quem nunca fez alguma coisa dessas no Reveillón! (Confesso que usei calcinha amarela e vestido dourado pra atrair dinheiro e não comi nenhum bicho que cisca para trás. Não me julgue!) A verdade é que mesmo que nada mude, mesmo que seja um mero passar do tempo, à meia-noite, como diria a Robin de How I met your mother, "everybody gets a fresh start." Não importa o quão desligado de superstições você seja, pelo menos durante os primeiros minutos de 2012, você se sentiu capaz de querer qualquer coisa, capaz de começar uma dieta, de correr uma maratona, de pular de asa delta, de virar astronauta ou aprender a surfar. Se você vai realmente cumprir as benditas resoluções, não vem ao caso. O que importa é que por mais que nada mude, tudo muda. Tudo!

Quando o tempo passa do dia 31 pro 1o, não é igual quando passa no resto dos dias. É muito diferente! Admita! E é assim porque não passa como tempo perdido, mas chega como uma chance a mais de fazer algo novo. Por mais piegas ou auto-ajuda que possa parecer (e sinceramente auto-ajuda e Lara são coisas que não se combinam!), a verdade é que quando um ano novo chega, por mais que você continue na sua rotina, fazendo as mesmas coisas de sempre, você se sente poderoso, um pouco dono do seu destino, um pouco criança de novo - quando você acreditava que tudo era possível. Nem que seja apenas durante a queima de fogos mais perto de você... Obviamente que a intensidade desse sentimento varia de pessoa para pessoa. Tem gente que vai se achar Leonardo DiCaprio em Titanic, outros vão ser mais modestos, outros manterão os pés no chão mas a cabeça mais perto das nuvens, alguns vão dormir às 2 da manhã já certos de que nem se darão ao trabalho de pensarem em resoluções que jamais se cumprirão.

Esse ano escolhi (isso mesmo: escolhi, porque acredito que é uma mera questão de escolha) que viverei uma vida como Timão e Pumba. Uma vida sem mais preocupações do que as necessárias, com menos stress (já ganhei uma gastrite em 2011, não preciso de mais nada do tipo), dando valor para as pessoas certas, não me importando nem um pouco com as incertas, tentando ver o lado bom das coisas (porque ver o ruim não me levou a lugar nenhum) e sempre tendo em mente que se esse estilo de vida foi capaz de criar um rei, não tem como dar errado pra mim, né não? Hakuna Matata, meus caros! Que me chame de clichê quem quiser, mas que também olhe para o próprio umbigo e me diga: essa não é a vida que você quer para você, não?

Tracem metas,sim, porque elas serão nossos nortes ao longo do ano. Mas nada de querer escalar o Everest se ainda não dá nem pra gente subir escada sem perder o fôlego. E nada de contar com sua criatividade para inventar um novo site revolucionário que vai te deixar bilionário. Ao invés disso, invista em sonhos e ambições mais palpáveis (não que eu não acredite que alguém aí não possa ser o próximo Mark Zuckerberg...), tenha menos preguiça e mais determinação. Tente mais. Desista menos. Não tenha medo. Decida! Decida o que você quer e correr atrás até seus pés sangrarem. Não ligue para a opinião alheia. Não escute o que te motiva. Escolha bem quem vai estar ao seu lado durante sua trajetória e nunca se envergonhe de cair. Em 2011 não fiz muitas dessas coisas e aprendi - meio que na marra, confesso - que 2012 nasce com gosto de oportunidades.  Agarrar-me-ei a elas!

Tenho a mais absoluta convicção de que não vai ser fácil! Se 2011 foi ruim, 2012 pode ser ainda pior (já diriam os profetas...). É tudo uma questão de escolha. Portanto, a única resolução que farei esse ano é essa: usarei a régua do bom senso e medirei cautelosamente o tamanho das minhas pernas. Não darei nenhum passo maior que elas. E acordarei todo dia escolhendo ser mais feliz. Tentarei, tentarei, tentarei! Darei o meu melhor! Pelo menos assim, se eu nadar e morrer na praia, pelo menos morro magra e linda de tanto nadar, né?

Queridões, Hakuna Matata! Comece pelo começo e se reinvente ao longo do caminho se for preciso. E digo mais: se as Queridonas foram capazes de revitalizar o blog, você é capaz do que quiser, viu? Juro!

1 comentários:

Rosana disse...

hahahha Vamos ver se agora vai, né?!

Parabéns pela iniciativa! =D